O senador Flávio Bolsonaro avaliou como positiva a participação do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na CPI da Covid-19 nesta quarta-feira, 19, e disse que as expectativas também são boas para a continuidade do depoimento do general ao colegiado, o que acontece desde às 10h desta quinta. Na avaliação de Flávio, não houve contradições por parte do ex-integrante do governo federal. À Jovem Pan, o parlamentar criticou o relator da CPI, Renan Calheiros, considerado suspeito pelo filho do presidente da República. “Ele já se posicionou, muito antes de começar os trabalhos da CPI, que o governo seria culpado por coisas que, na visão dele, teriam acontecido de errado. Então já tem uma posição muito bem definida, já tem um pré-julgamento, não está esperando ouvir ninguém para tomar a sua posição. O relatório está pronto. É óbvio que ele é suspeito, que ele tem essa suspeição, e do meu ponto de vista, é impedido”, disse, citando a relação familiar entre o relator da comissão e o governador do Alagoas.

“A gente observa a todo momento a preocupação do Renan Calheiros em não avançar para aquilo que a população quer e espera da CPI, que é saber o que foi feito com os recursos financeiros repassados. Ele faz de tudo para blindar o seu filho e, por consequência, os demais governadores. Tenho convicção que o presidente da CPI, conduzindo de forma madura como ele está indo e equilibrada, em algum momento isso vai acontecer. Não vai ser Renan Calheiros que vai impedir a população de saber o que foi feito com dinheiro público, de impostos dos cidadãos. Se foi desviado de finalidade ou se houve algum tipo de corrupção”, ressaltou Flávio Bolsonaro, que é membro da Comissão Parlamentar de Inquérito. Na próxima semana, a CPI da Covid-19 vota novos requerimentos de convocação e há possibilidade, inclusive, de votar pedido para depoimento de outro filho do presidente Jair Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado