Na manhã desta sexta-feira, 16, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou à Jovem Pan que os parlamentares chegaram a um acordo para a escolha dos nomes para a cúpula da CPI da Covid-19. A presidência deve ficar com Omar Aziz (PSD-AM), e a relatoria, com Renan Calheiros (MDB-AL), líder da maioria no Senado. O compromisso precisa ser confirmado na primeira sessão da comissão, o que deve acontecer na quinta-feira, 22, ou na terça-feira, 27, segundo anunciou o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco. Enquanto isso não ocorre, Aziz tem se movimentado em busca de apoio, tendo, inclusive, ligado para colegas em busca de votos.

Segundo relatos feitos à Jovem Pan, Omar Aziz possui o apoio da maioria dos senadores, sobretudo, por ser um parlamentar do Amazonas, onde, no início do ano, a capital Manaus viveu um colapso do sistema de saúde. Por isso, o Estado deve ser um dos principais focos da CPI. Os integrantes da comissão também apostam que o senador amazonense não vai permitir uma “investigação chapa branca” – entre 2010 e 2014, Aziz foi governador do Amazonas. Apesar do perfil independente, a provável indicação do senador para a presidência do colegiado é vista com bons olhos pelo Palácio do Planalto. Embora crítico à gestão de Bolsonaro na pandemia, o parlamentar já se alinhou ao governo em outras ocasiões, foi relator da indicação de Jorge Oliveira, ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, para o Tribunal de Contas da União (TCU), e também defendeu o adiamento dos trabalhos.