Uma pesquisa realizada pela Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), aponta o índice de confiança da população em relação às instituições federais do país. Realizado em São Paulo, o estudo JUSBarômetroSP mostrou que a confiança e a avaliação positiva das instituições é maior entre as mulheres, explica a presidente Apamagis, Vanessa Mateus. “Essa pesquisa faz um recorte interessante: mostra a diferença do nível de confiança entre homens e mulheres, entre bem informados e mal informados, pessoas com mais escolaridade e menos escolaridade. Isso nos permite traçar um panorama de quais caminhos a serem trilhados, porque o objetivo era saber como o Poder Judiciário é visto e por quem ele é visto dessa forma. Isso nos mostram condutas a serem trilhadas”, relatou ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, neste sábado, 29. A pesquisa aponta que de 48% das pessoas de São Paulo avaliam como “ruim ou péssima” a atuação da Presidência da República, contra 28% que consideraram “ótima ou boa”, e 22%, regular. Em relação ao Congresso Nacional, 43% dos participantes avaliaram negativamente a atuação, sendo que 20% classificaram o trabalho dos senadores e deputados federais como “ótimo ou bom” e 34% como regular. Quanto ao Judiciário, o resultado ponta 29% de avaliações positivas, 31% de negativas e 36% de regulares. No entanto, ao questionar a atuação do Supremo Tribunal Federal (STF), o estudo ponta de 37% dos cidadãos classificam as ações da Suprema Corte como “ruins ou péssimas”, 29% positivamente e 30% colocam como regular.

Por sua vez, quanto à confiança, a pesquisa aponta que 57% não confiam na Presidência da República, 66% desconfiam do Congresso Nacional e 53% também mostram desconfiança quanto ao Supremo. Na esfera estadual, por sua vez, os resultados são mais positivos. Dos participantes, 49% confiam no Judiciário do Estado, 48% no Tribunal de Justiça e nos desembargadores, 53% no Ministério Público estadual e 59% na Defensoria Pública.  No entanto, apenas 29% confiam no Governo do Estado e 32% na Assembleia Legislativa (Alesp). A explicação de Vanessa Mateus pontua que o estudo reflete a avaliação das instituições, não dos governantes. “No nível federal é maior o número de pessoas que não confiam. Isso reverte nas esferas estaduais, quando o índice de quem confia é um pouco maior em relação ao Judiciário. “Isso nos mostra a importância da capilaridade da Justiça. Quanto mais conhecida, mais bem avaliada é a Justiça”, pontuou, destacando também a diferença da avaliação entre os cidadãos usuários da Justiça e os não usuários. Entre as pessoas que já tiveram acesso ao Poder Judiciário, a confiança chega a 59%. “Não é exatamente uma surpresa. A gente tende a avaliar melhor o que conhecemos.”

Veja abaixo o índice de confiança e desconfiança da população quanto às instituições:

  • Presidência da República: 57% não confiam x 39% confiam
  • Congresso Nacional: 66% não confiam x 27% confiam
  • Supremo Tribunal Federal: 53% não confiam x 40% confiam
  • Tribunal de Justiça e desembargadores: 40% confiam e 49% confiam
  • Ministério Público estadual: 39% não confiam x 53% confiam
  • Defensoria Pública: 30% não confiam x 59% confiam
  • Governo do Estado de São Paulo: 66% não confiam x 29% confiam
  • Assembleia Legislativa (Alesp): 60% não confiam x 32% confiam