Ministro da Educação diz que novo Ensino Médio está mantido e que mudanças no Enem só serão adotadas em 2024

Katy Meira
Katy Meira

O ministro da Educação, Camilo Santana (PT), disse, nesta sexta (3), no Recife, que está montando um grupo de trabalho para avaliar possíveis mudanças na implantação do novo Ensino Médio. No entanto, a medida criada durante o governo de Michel Temer (MDB) não deve ser revogada pelo governo de Lula (PT).

“Não é questão de revogar. O [novo] ensino médio está em andamento. O que nós estamos colocando é criar um grupo de trabalho, que será oficializado por portaria. Vamos reunir todos os setores para discutir”, afirmou o ministro.
Santana acompanhou a posse da nova presidente da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), Márcia Angela Aguiar. O ministro também confirmou mudanças no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas disse que elas só devem ser adotadas em 2024.

Sobre o novo Ensino Médio, Camilo Santana disse que o grupo vai incluir secretários estaduais de Educação e entidades de classe, como representantes de associações de alunos e professores.

O ministro ressaltou ainda que “o grande equívoco” do governo anterior, de Jair Bolsonaro (PL), foi não ter construído um diálogo com a sociedade para executar a medida.

“Nós queremos fazer pesquisas, consultas, se forem necessárias, on-line a professores e à comunidade acadêmica, fazer seminários e reunir os estudiosos para que a gente possa, numa discussão coletiva, melhorar o que puder ser melhorado no Ensino Médio”, declarou.

Camilo Santana destacou também que o novo Ensino Médio tem “pontos positivos”. “A ampliação da carga horária, a oportunidade de você ter disciplinas complementares, mas isso é um processo que precisa ser consolidado”, avaliou.

Reconstruir o MEC
O ministro Camilo Santana disse que tem o desafio de reconstruir o Ministério da Educação. Ele falou sobre um dos problemas a serem enfrentados na educação do país: a defasagem de aprendizado dos alunos.

“Só no primeiro ano do ensino fundamental, 24% dos alunos já chegam defasados na idade-série. Apenas um terço das nossas crianças aprendem no segundo ano a ler e escrever”, destacou o ministro, ressaltando que a pandemia agravou a situação.

“Além de garantir que todas as crianças aprendam na idade-série, temos que recuperar essas crianças que enfrentaram com muita dificuldade [a pandemia]. A gente tá vendo qual é o melhor desenho para garantir a permanência [na escola], reduzir a evasão. Não perder nenhum jovem nessa trajetória desde o Ensino Fundamental até o Ensino Médio”, completou Camilo Santana.

Segundo Santana, entre as ações previstas está fortalecer o ensino profissionalizante, a conexão das escolas com a internet e também uma estrutura interna que dê acesso aos alunos a ferramentas de aprendizado e às plataformas digitais.

Share This Article
Leave a comment

Deixe um comentário