O ministro Ricardo Lewandowski autorizou que o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha tenha acesso às mensagens de procuradores da Lava Jato que foram hackeadas. A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) permite, no entanto, acesso apenas os trechos dos diálogos em que Cunha é citado. Lewandowski atendeu a um pedido da defesa do ex-parlamentar, que alega que o político foi “vítima das violações do devido processo legal nos casos da Lava Jato”. Os advogados afirmam ainda que várias conversas de Deltan Dallagnol, que na ocasião era chefe da força-tarefa no Ministério Público Federal, falando sobre Cunha vieram a público. Alguns desses diálogoso eram com Sergio Moro, ex-juiz da Lava Jato.

Anteriormente, o ministro já tinha permitido que o senador Renan Calheiros e o ex-presidente Lula tivessem acesso às mensagens.  No caso do petista, a decisão teve de ser confirmada pela segunda turma do STF.  Neste mês, Eduardo Cunha começou a responder em liberdade a acusações que tramitam no Distrito Federal, no Rio Grande do Sul e no Paraná. No ano passado, ele argumentou que, com a disseminação do coronavírus, corria risco de permanecer na cadeia.

*Com informações da repórter Camila Yunes