O Tribunal de Justiça de São Paulo publicou nesta terça-feira, 18, a determinação do bloqueio de R$ 17.450,58 das contas do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) para o pagamento de multa e honorários advocatícios da defesa de dois jornalistas e da revista Veja, contra quem ele moveu e perdeu um processo por danos morais após uma reportagem publicada no ano de 2018. Ciro tinha sido condenado a pagar R$ 13 mil dos honorários dos advogados da revista e dos jornalistas após perder a causa, mas não fez a transferência do dinheiro. Por causa disso, teve o valor penhorado por decisão do juiz Rogério de Camargo Arruda.

A princípio, Ciro Gomes pediu R$ 100 mil em danos morais ao mover processo contra os jornalistas afirmando que eles extrapolaram a liberdade de imprensa ao publicar, poucos meses antes da eleição para presidência, informações sobre investigações por parte da Procuradoria-geral da República de um suposto esquema de extorsão de dinheiro de empresários cearenses. Em entrevista, o ex-tesoureiro do antigo partido de Ciro, Niomar Calazans (Pros) afirmava que o ex-ministro sabia do esquema de propina com os empresários e dizia que o dinheiro era usado para financiar campanhas eleitorais, o que foi negado pelo político.