Às vésperas de atos convocados pela esquerda contra o governo, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada nesta sexta-feira, 28, ele disse que o petista não tem eleitores e insinuou que a pesquisa Datafolha estaria beneficiando Lula. “Vi um vídeo acho que é de ontem do cara esquisito aí em um comício que tinha umas 50 pessoas. Está sobrando muita grana para o Datafolha e pouco seguidor do caso. Tinham poucos com bandeira  vermelha, são malandros. Tinha até um cara com bandeira do Brasil. Se perguntar para aquele energúmeno de qual país é a bandeira, ele não sabe”, disse. Mais cedo, em uma rede social, Lula havia afirmado que o próprio presidente é quem tem medo de fazer campanha nas ruas. Bolsonaro sugeriu que a eventual volta de Lula ao Planalto poderia representar o retorno de Fernando Haddad ao ministério da Educação, o que, segundo o presidente, seria um risco. “Se o cara voltar, só volta na fraude. Imagina quem será o ministro da Educação. Volta o Haddad, ficou 12 anos lá, ideologia de gênero. Tem uma imagem aí, acho que em um evento, está o Lula, o ex-ministro Celso Amoedo, o Haddad e tinha dois homens se beijando e o Lula  morrendo de rir.”

O dia que antecedeu os protestos, que também vão pedir mais ações para o controle da pandemia, foi marcado por críticas a alguns do principais organizadores e incentivadores das manifestações. Em uma foto nas redes sociais, Guilherme Boulos aparece em uma mesa sem máscara com o deputado federal Túlio Gadelha, Juliano Medeiros, presidente nacional do PSOL, e com a vereadora pelo partido no Recife, Daniela Portela. Diante da repercussão, Boulos fez uma publicação se desculpando e afirmou que todos ali usaram o acessório de proteção durante todo o encontro e tiraram apenas para fazer o registro e tomar café. O político do PSOL escreveu ainda: “Vi críticas aqui sobre o exemplo que isso transmite. Estão corretas. Faltou esse cuidado. Obrigado pelo toque”.

*Com informações da repórter Camila Yunes