A comissão da Câmara dos Deputados que discute a proposta do voto impresso aprovou um convite para audiência com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. A PEC, considerada pelo presidente Jair Bolsonaro como prioridade visando as eleições 2022, estabelece que após a votação seja impressa uma cédula com o registro do voto. Após o eleitor conferir, ela seria depositada em uma urna instalada junto à urna eletrônica. Barroso tem sido um crítico da proposta. Na visão dele, o modelo criaria um caos e uma judicialização excessiva das eleições. O ministro classifica o atual sistema eletrônico brasileiro como o mais seguro e eficaz do mundo. Também devem comparecer ao colegiado o ex-ministro do STF e do TSE Carlos Velloso, além de técnicos da Justiça Eleitoral, acadêmicos, especialistas dos setores de informática, inteligência e segurança e políticos, como o ex-senador Roberto Requião, que defende o voto impresso. Após as audiências, o relator, deputado Filipe Barros (PSL), vai elabora um parecer que, caso seja aprovado pelo colegiado, fica apto a ir ao plenário da Câmara dos Deputados.

*Com informações do repórter Levy Guimarães