O presidente da República, Jair Bolsonaro, discursou nesta segunda-feira, 31, no Fórum de Investimentos Brasil 2021. O mandatário falou sobre as “expressivas metas” para a edição do evento, citando apresentação de 60 projetos com valor estimado em 72 bilhões de dólares, o que pode gerar 22 mil empregos ao países entre os anos de 2021 e 2022. Entre os temas acordados durante o pronunciamento, o chefe do governo federal citou meio ambiente, desenvolvimento econômico e sustentável da Amazônia e a retomada da economia brasileira e a pandemia de Covid-19, que, segundo ele, já demonstra uma “evolução”. “Há evolução positiva. O Brasil já aplicou mais 65 milhões de doses de vacinas, sendo que mais de 20% já recebeu pelo menos a primeira dose de imunizante contra a Covid-19″, disse, manifestando “pesar às famílias das vítimas” e citando a acordo para compra de 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer. “Ainda há riscos no curso da pandemia, mas temos feito e continuaremos a investir os nossos melhores esforços para mitigá-los”, completou.

Sobre os efeitos econômicos da pandemia, o presidente ressaltou que a “crise sanitária enseja preocupações, mas não tem o poder de comprometer o longo prazo de uma das maiores economias do mundo”. “Como uma das 10 maiores receptores de e investimento direto no mundo, a economia brasileira já retomou o crescimento e a geração de empregos. A participação de tantos executivos neste evento reflete o interesse que partilhamos em ver o Brasil produzir cada vez mais e melhor”, disse Bolsonaro, falando sobre a importância da região Centro-Oeste para a agropecuária internacional e, por sua vez, a capacidade do Norte, “com um poder econômico impar” ainda não exploradora. “Chamei a atenção para o paradoxo amazônico em que o baixo desenvolvimento contrasta com a riqueza ambiental única no planeta”, afirmou pontuando que nunca teve dúvidas que “é falso considerar opostos o desenvolvimento e a sustentabilidade”, ponto de grande interesse e discussões entre os investidores..

Em uma aceno direto aos presentes, o Bolsonaro também defendeu as reformas estruturantes. “Meu governo tem compromissos com as reformas e projetos estruturantes para reduzir o Custo Brasil“, garantiu no discurso, defendendo o aperfeiçoamento das normas para melhorar ambiente de negócios. “Engajamos o setor privado nacional estrangeiro na solução de nossos conhecidos gargalos logísticos e de infraestrutura. Queremos há um só tempo, maior liberdade e abertura econômica, maior estímulo à iniciativa privada, reservando ao Estado, ao mesmo, o papel que lhe cabe nas várias políticas públicas essenciais ao desenvolvimento, É com esse foco que temos buscado negociar acordos amplos e moderno, que nos conectem ao fluxo de comércio. Queremos políticas públicas de êxodo internacionalmente reconhecidas e baseadas em evidencias empíricas, além de moderniza e tornar mais transparente e simples a nossa legislação.”