O Príncipe William e o Príncipe Harry publicaram críticas à imprensa britânica nesta quinta-feira, 20, logo após uma investigação concluir que o ex-jornalista da BBC Martin Bashir apresentou documentos falsos para convencer a mãe deles, a Princesa Diana, a dar uma entrevista polêmica em 1995. “Essa entrevista foi um dos principais fatores que contribuíram para que a relação dos meus pais piorasse e desde então machucou um número incontável de outras pessoas. É uma tristeza indescritível saber que os problemas da BBC contribuíram significativamente para o medo, a paranoia e o isolamento que eu me lembro dos últimos anos com ela”, disse William. “O efeito cascata de uma cultura de práticas antiéticas e exploração, no fim, tomaram a vida dela. Para aqueles que resolveram assumir alguma responsabilidade, obrigado por admitir. Esse é o primeiro passo em direção à justiça e à verdade. No entanto, é muito preocupante para mim que práticas como essa, e até piores, ainda são comuns hoje”, escreveu Harry.

As conclusões da investigação independente liderada pelo ex-juiz da Suprema Corte John Dyson foram divulgadas na própria quinta-feira, 20. O inquérito confirmou que Bashir mostrou extratos bancários falsos para o irmão de Lady Di para provar que funcionários da realeza eram pagos por jornais britânicos para espionar a Princesa. Isso convenceu Diana a dar uma entrevista em que expressou os seus sentimentos sobre o caso que Príncipe Charles mantinha com Camilla Parker-Bowles, admitiu que ela mesma estava mantendo um relacionamento extraconjugal e revelou ter sofrido com bulimia e automutilação após o seu casamento. Pouco depois da reportagem ser assistida por mais de 20 milhões de pessoas, a Rainha Elizabeth II recomendou que o casal se divorciasse.