O general Glen Van Herck, chefe do Comando Norte dos Estados Unidos, afirmou na última terça-feira, 16, que entre 30% a 35% do México está nas mãos de organizações criminais ligadas ao narcotráfico. A afirmação foi feita durante uma entrevista coletiva no Pentágono, após o assassinato de 13 policiais na região central mexicana. No entanto, a secretária de Segurança e Proteção Cidadã do México, Rosa Icela Rodríguez, negou a afirmação nesta sexta-feira, 19. “De nenhuma maneira essa afirmação é real. Taxativamente, a negamos”, disse. A secretária reconheceu que há, em algumas regiões do país, a presença de grupos criminosos, que “são combatidos diariamente por todo o aparato do Estado”.

Perguntada sobre a chacina envolvendo os policiais, Rodríguez garantiu que há uma investigação em andamento, com “todas as autoridades federais” envolvidas, sob a liderança da Procuradoria Geral do México. O presidente do país, Andrés Manuel López Obrador, atribuiu as mortes dos policiais à violência em geral, que classificou como um problema “enraizado” há décadas, especialmente, “pelo abandono do povo mexicano”. Segundo a imprensa local, as mortes seriam ação do cartel da família Michoacana, em represália à uma operação das forças de segurança ocorrida dias atrás no município de Coatepec Harinas.

*Com informações da EFE