Foi a primeira vez em 60 anos de independência que o Níger teve uma transição de presidentes eleitos. Mohamed Bazoum tomou posse nesta sexta-feira, 2, depois de ser eleito em fevereiro com mais de 55% dos votos, derrotando o então presidente Mahamane Ousmane. Na cerimônia que o oficializou no cargo, Bazoum denunciou os jihadistas que realizaram ataques devastadores no país. O presidente acusou o grupo de cometer crimes de guerra e afirmou que a barbárie provocada por esses criminosos ultrapassou todos os limites.

Mohamed Bazoum também criticou o que chamou de uma tentativa de golpe, que teria acontecido dois dias antes de ele assumir a presidência do Níger. Na madrugada de quarta-feira, soldados armados invadiram o bairro presidencial em Niamey, a capital do país, mas foram repelidos pela guarda presidencial após a troca de tiros. Bazoum também terá que enfrentar as ações de grupos terroristas leais à Al-Qaeda e ao estado islâmico, além do grupo nigeriano Boko Haram. Os ataques contra civis aumentaram desde o início do ano: mais de 300 pessoas perderam a vida em três séries de ataques no oeste do país.

*Com informações da repórter Nicole Fusco