Um incêndio de mais de dez horas de duração devastou um campo de refugiados em Cox’s Bazar, cidade litorânea no sudeste de Bangladesh, nesta segunda-feira, 22. As autoridades locais confirmaram 15 mortes, afirmando ainda que 560 pessoas estão feridas, 400 estão desaparecidas e 45 mil tiveram que fugiram após 10 mil abrigos terem sido destruídos pelo fogo. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) prometeu enviar um milhão de dólares para ajuda imediata, mas reconheceu que outros US$ 20 milhões serão necessários para suprir necessidades urgentes. De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (ANUR), antes do incêndio um total de 800 mil refugiados da etnia muçulmana Rohingya morava ali, sendo que a maioria deles tinha fugido de perseguições em Myanmar, que lhes nega a cidadania. Uma comissão foi criada para investir a causa do incêndio, que teria começado em uma das milhares de barracas improvisadas feitas com lona e pedaços de bambu e depois se agravado devido à explosão de botijões de gás que os refugiados usam para cozinhar. A tragédia chama atenção, no entanto, por ter sido o terceiro incêndio nos últimos quatro dias no campo de 3 mil hectares em Cox’s Bazar. Em janeiro também houve outros dois incêndios que destruíram centenas de casas e quatro escolas da Unicef.