As medidas de lockdown que já estavam em vigor em algumas regiões da França serão estendidas para todo o território nacional a partir deste sábado, 3. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira, 31, pelo presidente Emmanuel Macron, que ressaltou a necessidade de conter a transmissão do novo coronavírus diante da saturação do sistema de saúde. Pelas próximas quatro semanas, o comércio não essencial deverá permanecer fechado e as pessoas serão proibidas de se locomoverem a uma distância de mais de dez quilômetros de suas casas, além de sair entre 19h e 6h. As escolas e as creches também não terão permissão para funcionar, mas por um período menor, de três semanas. Ao mesmo tempo, o governo francês trabalhará no aumento do número de unidades de terapia intensiva, que passarão de 7.655 para 10 mil, e na campanha de vacinação contra a Covid-19. O objetivo é começar a imunizar os maiores de 60 anos a partir de 16 de abril e os maiores de 50 anos a partir de 15 de maio.

O presidente Emmanuel Macron já vinha sendo pressionado nas últimas semanas a tomar atitudes mais rígidas contra a terceira onda de Covid-19, que já atinge boa parte da Europa. A decisão do último dia 18, de colocar apenas um terço da população em lockdown, não agradou médicos e especialistas, que pediam por restrições em nível nacional. Nesta quarta-feira, no entanto, ele reconheceu que nenhuma região da França está fora de risco e que a quarentena é “a melhor solução para desacelerar o vírus”. Atualmente, mais de 5 mil pessoas estão internadas em UTIs no país, número que não era visto desde abril de 2020. Nesta terça-feira, 30, o país registrou mais de 30 mil novos casos de Covid-19. A reabertura está prevista para acontecer de forma gradual a partir de meados de maio, com a volta de atividades culturais e o funcionamento de cafés e restaurantes.