A família do médico Victor Sorrentino divulgou na manhã desta quinta-feira, 3, uma carta em inglês e em árabe em que pede desculpas pelo incidente que levou o brasileiro a ser detido e investigado por assédio sexual no Egito. O porto alegrense foi preso no último dia 30 por causa de um vídeo que viralizou na internet em que ele faz perguntas com conotações sexuais a uma egípcia muçulmana. “Em nome de Victor, apresentamos um pedido oficial de desculpas à vítima, sua família e todos os que tocaram no assunto. A todo o querido povo egípcio e todos os funcionários do Estado do Egito, nossos mais sinceros sentimentos e empenho na reparação de todos os danos materiais e morais. Solicitamos o recebimento de nossas desculpas”, diz o texto. O documento foi assinado pelos pais Migel e Maria Cristina, pela esposa Kamila e pelos irmãos Guilherme, Patricia e Daniela. Na terça-feira, 1, o Ministério Público do Egito anunciou que Victor Sorrentino permaneceria pelo menos mais quatro dias detido enquanto as investigações prosseguiam. Em comunicado publicado no Twitter, a entidade explica que ele está sendo acusado de ter atacado “os preceitos e valores da família e da sociedade egípcia, violando a vida privada da vendedora e utilizando uma conta eletrônica para cometer esses crimes”.

Na gravação que causou a sua prisão, o brasileiro aparece em tom de deboche, questionando uma vendedora que não entende sua língua: “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né? E comprido também fica legal, né?”. Após a repercussão negativa do vídeo, ele excluiu a postagem das redes sociais e postou outra gravação pedindo desculpas à funcionária. “Foi uma brincadeira, uma brincadeira de mau gosto, que eu costumo fazer com minhas amigas e familiares no Brasil. No entanto, as pessoas acham que eu fui ruim, mau, deselegante e pervertido com você. Não entendi isso de início porque estou acostumado a brincar assim. Sei que não tenho direito de brincar com pessoas desconhecidas”, disse o médio. Neste novo vídeo, ele ainda explica à vendedora que sua “brincadeira de mau gosto” fez alusão a um pênis. “Eu sou assim, um cara muito brincalhão. Quero pedir desculpas e saber se você se sentiu ofendida. Como você era muito risonha, acabei brincando junto, mas não quis te ofender”, continuou. Por sua vez, a vendedora respondeu que “não está triste” e que “está tudo bem”.