Em relatório divulgado em 2019 a Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou que, a arte influencia a saúde física e mental do indivíduo. Manter contato com diferentes artes ajuda a lidar com tristezas, alivia a sensação de solidão e diminui os níveis de estresse. Durante o longo período de distanciamento social neste mais de um ano de pandemia, a arte tem sido ferramenta de refúgio e estímulo, colaborando para melhorar o dia a dia das pessoas. Esta afirmação tem base na psicologia como explica a psicóloga Silvia Vasconcelos. “A importância da arte nas ruas, isso vai gerando uma autoestima, um bem estar, porque as cores tem uma funcionalidade de gerar um bem estar. Quando você olha esse meio da sociedade, que vai resgatando a cultura, tem impactos significativos e positivos também na sua vida emocional.”

Fazendo uma observação sobre a cidade de São Paulo, a psicóloga destaca o crescente número de empenas e murais pintados na capital paulista. Na avenida mais famosa da Zona Norte, a Santos Dumont, é possível ver uma obra elaborada pelo artista Apolo Torres. O grafite, com cerca de 240m quadrados, homenageia os entregadores de delivery, que vem se expondo e exercendo um papel essencial na sociedade durante este período de isolamento. O projeto levou cerca de sete dias para ser finalizado e foi concluído no meio do ano passado. “Muito importante usar esse espaço da arte, que tem um certo glamour. Não sei bem se é glamour, mas tem uma importância cultural de estar representado em uma obra de arte, tem uma relevância muito grande. Tem sido muito legal ver como tem sido importante para os profissionais se verem gigantes, na lateral do prédio, com todo esse impacto”, comenta o artista.

Para o empresário Victor Barros, sócio-fundador da Dionisio.Ag, primeira agência especializada em arte corporativa do país, nesta época em que as pessoas estão esmorecidas e ansiosas, a arte visual desempenha ainda um outro papel. “Vai muito além só da estética, é algo que vai também no sentido social, no sentido de transformação, no sentido de “evolução”, pontua. Para quem trabalha na linha de frente da área da saúde ou precisa sair de casa para exercer a profissão, encontrar artes visuais expostas pela cidade em seus caminhos pode ser um estímulo à reflexão ou até uma inspiração para encarar os desafios do cotidiano.

*Com informações da repórter Juliana Tahamtani