O feriado de Páscoa foi marcado por um novo recorde de mortes por Covid-19 no Rio de Janeiro. Só no último sábado, 411 óbitos confirmados e quase 4 mil casos registrados. É o maior número desde o inicio da pandemia de coronavírus no ano passado. O Estado do Rio já caminha para quase 38 mil óbitos e mais de 650 mil pessoas infectadas. Prefeitura e governo do Estado baixaram decretos estendendo as medidas de restrição que venceram neste domingo, dia 4 — Estado do Rio de Janeiro estendeu até o próximo dia 12 e a prefeitura vai começar a flexibilizar a partir do dia 9.

Especialistas da área de saúde elogiaram e criticaram as autoridades. Por um lado, elogiaram a coragem de manter decisões firmes e duras para evitar a disseminação da doença. No entanto, de acordo com uma dessas especialistas, a pesquisadora da UFRJ Cristina Barros, o certo seria manter as restrições por mais de 20 dias para que elas tivessem efeito do ponto de vista sanitário. “As medidas restritivas à circulação, como já comprovado na experiência de mais de 100 países pelo mundo, só começam a ter efeito a partir do 21º ou 28º dia. Neste sentido, uma semana é muito pouco.”

Órgãos da prefeitura seguem fiscalizando as medidas restritivas de isolamento impostas ao longo dos últimos dias. Quase 7 mil multas já foram aplicada. Há comércio e festa ilegais, entre outras infrações. UTIs e enfermarias seguem lotadas tanto na rede pública e privada Na pública, a fila de espera para internação é de quase mil pessoas. No último sábado, 3, representantes de setores que se sentem afetados pelas medidas de isolamento fizeram um protesto contra a prefeitura e o governo do Estado na Praia de Copacabana.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga