A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou, neste sábado, 8, a lista com os nomes dos 28 mortos na operação da última quinta-feira, 6, em Jacarezinho, comunidade na Zona Norte do RioMais cedo a polícia divulgou a informação de que mais um suspeito havia morrido, mas horas depois voltou atrás e manteve o número em 28. Em nota, a assessoria da Polícia Civil do Rio explicou que o equívoco aconteceu por causa de dois corpos que não estavam identificados no hospital, mas que já tinham sido reconhecidos pela Delegacia de Homicídios, “o que causou a contagem dupla”. De acordo com as autoridades de segurança, a operação visava o combate ao aliciamento de menores por uma facção do crime organizado. Veja a lista com os 27 mortos, com exceção do inspetor de polícia André Leonardo de Mello Frias, 48 anos:

1 – JONATHAN ARAÚJO DA SILVA
2 – JONAS DO CARMO SANTOS
3 – MÁRCIO DA SILVA BEZERRA
4 – CARLOS IVAN AVELINO DA COSTA JUNIOR
5 – RÔMULO OLIVEIRA LÚCIO
6 – FRANCISCO FÁBIO DIAS ARAÚJO CHAVES
7 – CLEYTON DA SILVA FREITAS DE LIMA
8 – NATAN OLIVEIRA DE ALMEIDA
9 – MAURÍCIO FERREIRA DA SILVA
10 – RAY BARREIROS DE ARAÚJO
11 – GUILHERME DE AQUINO SIMÕES
12 – PEDRO DONATO DE SANT’ANA
13 – LUIZ AUGUSTO OLIVEIRA DE FARIAS
14 – ISAAC PINHEIRO DE OLIVEIRA
15 – RICHARD GABRIEL DA SILVA FERREIRA
16 – OMAR PEREIRA DA SILVA
17 – MARLON SANTANA DE ARAÚJO
18 – BRUNO BRASIL
19 – PABLO ARAÚJO DE MELLO
20 – JOHN JEFFERSON MENDES RUFINO DA SILVA
21 – WAGNER LUIZ MAGALHÃES FAGUNDES
22 – MATHEUS GOMES DOS SANTOS
23 – RODRIGO PAULA DE BARROS
24 – TONI DA CONCEIÇÃO
25 – DIOGO BARBOSA GOMES
26 – CAIO DA SILVA FIGUEIREDO
27 – EVANDRO DA SILVA SANTOS

Embora a Secretaria de Segurança Pública do Rio afirme que a operação cumpriu todos os procedimentos legais, moradores alegam que alguns suspeitos foram executados. “Nós estamos do lado da sociedade, policial não entra para executar ninguém. Se houve uma execução, foi do policial”, disse o delegado Rodrigo Oliveira, subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Polícia Civil. Segundo o governador Cláudio Castro, a operação da Polícia Civil foi o fiel cumprimento de dezenas de mandados expedidos pela Justiça. “Foram dez meses de trabalho de investigação, que revelaram a rotina de terror e humilhação que o tráfico impôs aos moradores”.