A farmacêutica Pfizer confirmou a entrega de 2,4 milhões de doses da vacina contra Covid-19 para o Ministério da Saúde nesta semana. Os voos para o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, interior de São Paulo, vão ocorrer de hoje até a próxima quinta-feira. Cada uma das duas primeiras aeronaves terá 936 mil doses, enquanto a do dia 3 carregará mais 527 mil doses. As remessas compõem o primeiro contrato entre o laboratório e a pasta — firmado em 19 de março e que prevê a totalização de 100 milhões de doses até fim do terceiro trimestre.

Há, ainda, outro acordo que estipula entregas de mais remessas até dezembro deste ano. Com esses três envios, a Pfizer vai chegar a 5,8 milhões de doses encaminhadas ao Brasil desde 29 de abril, quando chegou o primeiro lote. Enquanto isso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária informou que a fabricante pediu autorização para incluir adolescentes a partir de 12 anos na bula do imunizante. De acordo com a Anvisa, a Pfizer entrou com o pedido em 13 de maio. O prazo para a agência reguladora analisar os estudos apresentados e conceder uma resposta é de 30 dias.

A vacina da Pfizer já foi liberada para aplicação em adolescentes a partir dos 12 anos nos Estados Unidos. Em solo brasileiro ela está autorizada para pessoas com 16 anos ou mais. Na semana passada, a Anvisa permitiu novas condições de conservação e armazenamento para a vacina da Pfizer que agora pode ser mantida em temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC por até 31 dias. A orientação anterior era de cinco dias. As agências reguladoras dos Estados Unidos e da Europa também estenderam o tempo de armazenamento para um mês. A Pfizer é a terceira vacina a ser usada no Brasil para enfrentamento do coronavírus. As outras duas são a CoronaVac e Oxford/AstraZeneca.

*Com informações do repórter Daniel Lian