O Instituto Butantan recebeu, na manhã desta segunda-feira, 17, uma previsão para chegada de uma nova remessa de Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFA) vindos da China. Os insumos chineses são usados durante a produção da CoronaVac pelo Butantan. Segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a chegada do novo lote com 4 mil litros de matéria-prima, capazes de produzir 7 milhões de doses da vacina contra a Covid-19, está prevista para o dia 26 de maio. Devido à falta de matéria-prima, o Butantan paralisou a produção do imunizante na última sexta-feira, 14. À Jovem Pan, a organização reforçou que a fabricação da vacina será retomada assim que mais insumos chegarem da China. O governo de São Paulo e representantes do Butantan têm dito que as relações diplomáticas entre Brasil e China andam abaladas por conta de sucessivas declarações dadas pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que chegou a insinuar que o país asiático teria criado a doença. “Questões referentes à relação diplomática Brasil e China podem, sim, estar interferindo diretamente no cronograma de liberação de novos lotes de insumos”, diz nota do Butantan. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirma, no entanto, que o atraso não passa de uma questão contratual e comercial.