Governador de São Paulo, João Doria (PSDB) anunciou nesta segunda-feira, 29, que deixará a sua casa e passará a morar no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, por “ameaças à segurança da minha família e agressivas manifestações na porta da minha residência.” Em nota, o tucano cita “uma seita intolerante e autoritária” e afirma que a troca de endereço é temporária. “Tenho enfrentado os seguidores dessa seita com inquéritos policiais e ações judiciais, com medidas sanitárias e vacinas, instrumentos da lei e da razão”, afirmou. “Regredimos a tempos obscuros em que a integridade física daqueles que defendem a vida e a democracia está sob ameaça.”

A casa do governador, no Jardim Europa, zona nobre da capital paulista, tem se tornado ponto frequente de protestos de grupos contrários às medidas de isolamento social e restrições para o funcionamento de comércio e serviços impostas pelo governo do Estado em meio ao pior momento da pandemia do novo coronavírus. Sem citar nomes, Doria afirmou que o “negacionismo na pandemia deixou de ser um delírio das redes sociais” e que “está se tornando algo muito mais perigoso para a vida, a ciência e a democracia.”