Mais um passo foi dado nas últimas horas pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro naquilo que parecia inevitável: a cassação do vereador Dr. Jairinho, acusado de matar por espancamento o próprio enteado, Henry Borel, de 4 anos. Nesta terça-feira, 27, a mesa diretora da Câmara Municipal emitiu um parecer favorável a tramitação da representação que foi feita pelo Conselho de Ética na última segunda-feira, 26 — o primeiro passo dado nesse processo de cassação do vereador. Ele é acusado de quebra de decoro parlamentar. O Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou essa representação que, na prática, significava a abertura do processo de impeachment por unanimidade.

Agora, esse segundo passo vai ser encaminhado à Comissão de Justiça e Redação, que tem um prazo de cinco dias úteis para decidir pela procedência da representação. Fontes da Jovem Pan garantem que não haverá nenhuma barreira ou obstáculo para continuidade de todo o processo. A Comissão de Constituição e Justiça, ao atender a essa representação, sugerida tanto pelo Conselho de Ética quanto pela Comissão da Justiça e Redação, vai retornar a representação ao Conselho de Ética para que seja sorteado um relator — que dará prosseguimento ao processo. A expectativa é que todo o rito dure entre 60 e 80 dias. Dr. Jairinho segue preso no sistema carcerário do Rio de Janeiro, assim como a mulher dele, Monique Medeiros, mãe de Henry Borel.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga