Um estudo feito pelo Laboratório de Microbiologia da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, confirmou a primeira morte registrada por reinfecção de variantes do novo coronavírus no Brasil. A pesquisa acompanhou o caso de um homem de 39 anos, morador da cidade de Campo Bom, com cerca de 70 mil habitantes no interior do estado sulista, que faleceu no dia 19 de março após um período intubado. Ele contraiu a cepa P1, variante amazonense da Covid-19, em novembro de 2020 e não apresentou sintomas. No mês de março, ele contraiu a variante P2, do Rio de Janeiro, apresentando sintomas como falta de ar e fadiga a partir do dia 11 de março, ficando em estado grave e indo a óbito.

Segundo a pesquisa, o homem tinha um histórico de comorbidades, com doença vascular crônica e diabetes. Ele não teria viajado, mas teria encontrado uma série de pessoas no período em que esteve internado no hospital. Publicado na última terça-feira, 19, na plataforma Research Square, o estudo ainda não passou por processos de revisão de outros cientistas. O primeiro caso de reinfecção no Brasil foi confirmado pelo Ministério da Saúde no dia 9 de dezembro de 2020. Até o momento, estima-se que a variante P1 tenha surgido em Manaus no mês de novembro, sendo mais transmissível e se disseminando para o país entre os meses de janeiro e março.