A Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou, nesta terça-feira, 20, o uso emergencial de um coquetel para tratamento da Covid-19 formado pelos medicamentos casirivimabe e imdevimabe, da farmacêutica Roche. A reunião da Diretoria Colegiada aconteceu na manhã de hoje. A aplicação é intravenosa, dose única e de venda e uso restrito aos hospitais. Além disso, o coquetel deve ser utilizado no início do diagnóstico — quando houver tendência para piora do estado clínico do paciente. O coquetel não deve ser usado em pacientes graves. Até então, o único medicamento já aprovado para o coronavírus era o antiviral Remdesivir.

A indicação é para pacientes adultos e pediátricos (acima de 12 anos ou com mais de 40kg) e que não precisam de suplementação de oxigênio ou ventilação mecânica. Mesmo com a eficácia comprovada, o coquetel não é indicado para tratamento precoce. Em reunião transmitida de forma virtual, o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, explicou que os medicamentos são “anticorpos monoclonais” que trabalham na neutralização do vírus, evitando que ele se propague nas células já infectadas. Esses mesmos medicamentos já foram aprovados para uso emergencial nos Estados Unidos, no Canadá e na Suíça — além da recomendação por parte da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).